Medicina Dentária

Escolha um tratamento

IMPLANTOLOGIA

É uma área da Medicina Dentária que se dedica à colocação de implantes dentários. Os implantes são peças de titânio com elevada biocompatibilidade e resistência que permitem suportar coroas de cerâmica de forma rápida e muito eficaz.

A reabilitação com implantes tem como principal objetivo substituir os dentes naturais, devolvendo a estética dentária e facial, a mastigação e a manutenção da integridade dos dentes vizinhos. Dando ao paciente a possibilidade de restituir e até melhorar o seu
sorriso, dotando-o do sorriso com que sempre sonhou.
Assim, conseguimos restituir a harmonia facial, a função dentária e até mesmo a confiança e a autoestima.

Na ORC – Oral Rehabilitation Clinic trabalhamos com as melhores marcas de materiais equipamentos. A Zimmer é a nossa aliada na Implantologia e que em conjunto com o saber e dedicação dos nossos profissionais, permitem-nos atingir resultados formidáveis.

É um substituto da raiz dentária, feito de titânio, utilizado para dar sustentação e suporte a coroas ou próteses, com vista à resolução da perda dentária.

Genericamente, a colocação de um implante está indicada em qualquer pessoa que por traumatismo ou doença periodontal tenha perda da raiz dentaria e por conseguinte perda de sustentação, nutrição e vascularização do dente.
Porque a falta de um dente irá provocar a migração dos dentes adjacentes, resultando numa alteração da harmonia facial, mastigatória e de oclusão, podendo resultar em inúmeras patologias em inúmeros sistemas de órgãos.

Uma vez que é um procedimento efetuado com anestesia local, existem poucas contra-indicações absolutas para a colocação de um implante, nomeadamente Enfartes cardíacos recentes (menos de 6 meses), insuficiência cardíaca grave e acidente vascular cerebral recente; Neoplasias activas, doenças ósseas e do metabolismo etc. Assim é da maior importância uma consulta de avaliação prévia, por forma a despistar qualquer patologia.

Não, apenas a partir dos 18 anos. Os implantes só podem ser colocados quando o
crescimento craniofacial já está terminado.

A falta de estrutura óssea pode ser uma destas contra-indicações, mas numa percentagem apreciável dos casos, através de técnicas de colocação de enxerto ósseo, conseguimos criar as condições necessárias para a sua colocação.

No pós operatório, poderá sentir alguma dor, bem como edema. Assim, é receitada medicação analgésica que deve tomar, conforme prescrito, por forma a controlar a dor que poderá ter. A aplicação de gelo, de forma correta e regular, ajuda também a assegurar um pós operatório mais tranquilo e agradável.

A fase de manutenção é uma das fases mais importantes e muitas vezes negligenciada, uma vez que é aquela que permite avaliar se tudo se mantém saudável e evitar que surjam problemas no futuro.

ORTODONTIA

Harmonia. A Ortodontia é o ramo da Medicina Dentária onde esta palavra faz mais sentido. Em todos os tratamentos efetuados o objetivo é sempre a busca incessante de harmonia. Harmonia do sorriso, harmonia da mastigação, harmonia da oclusão.

Desta forma, é uma área fulcral:

– Para a estética, possibilitando a obtenção do sorriso com que sempre sonhou;
– Para a sua função mastigatória, através da correção do posicionamento e a correta oclusão dos dentes;
– Para a prevenção de patologias articulares e noutros sistemas de órgãos, como enxaquecas, doenças do sono e até mesmo doenças gastro-intestinais.

Este procedimento consiste na colocação de um aparelho dentário, tendo como objetivo a movimentação suave e gradual da estrutura dentária, através da ação de forças distribuídas através do aparelho. Desta forma, no final do tratamento teremos a estrutura dentária corretamente alinhada e o problema anteriormente verificado, resolvido.

 

Procedimento nas consultas de Ortodontia

1ª consulta – é feita uma avaliação geral onde chegaremos a um diagnostico e será elaborado um orçamento.

2ª consulta – é feito um estudo ortodôntico, que consiste na recolha de todos os dados clínicos (fotografias intra e extra-orais, radiografias, modelos, etc) necessárias para a elaboração de um plano de tratamento e confirmação do orçamento.

3ª consulta – colocação do aparelho

A ORC Clinic poderá ter acesso aos mais variados e atuais aparelhos ortodônticos:

– Fixos como o Damon System, Insígnia System, bem como o sistema de elásticos convencional.

– Invisíveis, como o Spark. Estes sistemas são altamente estéticos, uma vez que são invisíveis. Altamente funcionais, uma vez que permitem resultados tão bons, como os sistemas convencionais e como são removíveis, são extremamente cómodos e higiénicos.

– Linguais – em que o sistema de bracketes se localiza na face interna dos dentes. Este tratamento é feito em pacientes que valorizam muito a estética

O Spark Aligner é um sistema ortodôntico completamente imperceptível à distância social, extremamente avançado, completamente individualizado, feito através de um poderoso sistema 3D. Assim, permite a obtenção de resultados tão bons como com os sistemas convencionais, aliado a uma componente estética imbatível, uma vez que é invisível e removível. No entanto, é importante ressalvar que se deve remover apenas para comer, lavar os dentes e utilizar o fio dentário, perfazendo uma utilização de cerca de 22h diárias.

O Spark Aligner tem integrado um software que permite uma melhor planificação, acompanhamento e previsão do resultado final.

O Spark Aligner mostrou, em estudos publicados, ser mais transparente, mais resistente a manchas, mais cómodo e com uma força de retenção mais contante quando comparado com a concorrência.

O sistema Damon é um aparelho avançado formado por brackets autoligáveis que podem ser metálicas ou de cerâmica. Deste último grupo utilizamos a safira, que é um monocristal com elevado grau de pureza, que o torna mais estético.

Este aparelho de aparatologia trabalha na chamada biozona, ou seja, exerce forças muito leves capazes de promover o movimento dentário e por isso também é mais confortável para o paciente.

Em oposição aos aparelhos convencionais, através do sistema Damon é possível tratar casos clínicos mais complexos, reduzir o número de extrações de dentes saudáveis e em casos severos, reduzir a probabilidade de cirurgias ortognáticas.

– Melhoria na estética da face e do sorriso, com o consequente aumento da auto-estima e facilidade de inserção social;

– Correcto alinhamento dos dentes, tornando possível uma melhor higiene dentária e diminuição do risco de cáries e problemas nas gengivas;

– Boa função mastigatória, muscular e da articulação dos maxilares com benefícios em termos de saúde e bem-estar geral.

As causas dos problemas ortodônticos podem ser hereditárias ambientais (hábitos de chupar o dedo, respiração pela boca, perda precoce de dentes de leite) ou uma combinação das duas.

Em média 24 meses, podendo no entanto variar em função do tipo de deformação existente e da dificuldade do tratamento a efectuar.

Os aparelhos fixos promovem a retenção de placa bacteriana, durante o tratamento. Por este motivo, os dentes deverão ser escovados depois de todas as refeições (incluindo lanches), utilizando uma pasta fluoretada e uma escova ortodôntica.

Os aparelhos podem provocar algum desconforto, principalmente nas primeiras horas depois de serem colocados ou ajustados. Todavia esse incómodo desaparece rapidamente.

ENDODONTIA

A endodontia é a área da Medicina Dentária que se dedica ao estudo das patologias que afetam a polpa dentária.

O dente é constituído por 3 camadas. O esmalte, a dentina e a polpa.

A polpa dentária é um sistema de vasos sanguíneos e nervos que se encontram no interior do dente e que se estende até às raízes através de canais. A polpa é fundamental uma vez que é através dela que toda a estrutura dentária sobrevive.

Assim, existem patologias que afetam a polpa e podem causar sensibilidade ao frio, ao quente e até dores constantes e muito fortes, sendo necessário uma rápida intervenção médica. Estas geralmente são originadas por cáries, traumatismos, fraturas ou infeções (abcessos) que podem causar pulpites irreversíveis ou necroses pulpares.

Vulgarmente designado por “Desvitalização”, o tratamento endodôntico consiste na diminuição da dor ou infeção através da remoção do nervo, desinfeção e preenchimento/selagem dos canais do dente .

O tratamento endodôntico está indicado em todos os pacientes em que por infeção, traumatismos, fraturas ou outras patologias danifiquem a polpa dentária.

Com o tratamento endodôntico, prevenimos a perpetuação da infeção que poderá resultar não só na perda do dente respetivo, mas também dos adjacentes. Inclusivamente, em ultima análise um não tratamento poderia resultar numa infeção generalizada sistémica, conhecida por sépsis, pondo em perigo a própria vida do paciente

Todo o tratamento é feito sob o efeito de anestesia, portanto o paciente não sentirá dor. Para alguns dentes, pode ser difícil atingir um nível profundo de anestesia, mas é sempre possível.

Quando aparece a dor espontânea, a maior parte das vezes significa que a polpa dentária encontra-se a “morrer” e as bactérias começam a invadir essa parte do dente, provocando uma infecção que se expande para a zona óssea que envolve o dente, podendo provocar um abcesso.

Se o seu tratamento endodôntico está terminado, os canais radiculares encontram-se definitivamente selados.

Deve agora agendar uma consulta no seu médico dentista para restaurar a parte visível do dente, a coroa. É importante que o faça rapidamente para que o dente seja reabilitado o quanto antes, seja com uma restauração convencional ou com uma coroa fixa. Só assim o dente fica com protecção total, tanto ao nível dos canais radiculares, como em termos de resistência da coroa dentária.

O custo ou a simplicidade de uma extracção dentária poderão ser atractivos, em comparação com um tratamento de canais, mas esta solução não é na realidade a mais fácil ou sequer a menos dispendiosa.

Substituir um dente extraído por um dente artificial (seja através de uma ponte fixa, prótese removível ou implante dentário) será quase certamente mais complexo e dispendioso do que fazer tratamento endodôntico e reabilitar o dente afectado. Não tome a decisão de extrair um dente de ânimo leve. Discuta e explore com o seu médico dentista todos os benefícios e desvantagens das opções de tratamento disponíveis.

DENTISTERIA

Dentisteria é a área que tem a função de restabelecer a anatomia dentária através de resinas compostas. Alterações de forma e tamanho, traumatismos e cáries são as principais causas que necessitam da intervenção desta área.

A cárie dentária é uma patologia que afeta quase 90% da população. É provocada por bactérias presentes na cavidade oral, uma alimentação inadequada e também por uma higiene oral deficitária. Por sua vez, a cárie pode desencadear a destruição parcial ou total do dente e também originar infeções de extensão variável.

O tratamento das lesões de cárie consiste na sua remoção e de seguida, pelo preenchimento da cavidade com um material restaurador, as resinas compostas.

As resinas compostas são materiais estéticos e funcionais que devolvem a forma e a cor original da estrutura dentária. Desta forma, também podem ser usados em casos de fraturas dentárias ou de malformações dentárias congénitas.

Quando são ingeridos frequentemente alimentos ricos em hidratos de carbono, como os doces, bolos, chocolates, gomas, etc., as bactérias presentes na cavidade oral vão decompô-los e originam ácidos que provocam a dissolução da estrutura mineral do dente, originado assim as lesões de cárie.

Não, os dentes não são todos iguais.

Os dentes molares e pré-molares apresentam na sua forma, sulcos e fissuras, zonas onde os restos alimentares se depositam mais facilmente e são de maior dificuldade de escovagem.

A deteção de cáries numa fase inicial não é fácil e normalmente só consegue ser realizada pelo Médico Dentista. Se existir alguma alteração de cor, como manchas brancas, amarelas, acastanhadas ou pretas na superfície do dente, deverá marcar uma consulta. Se por outro lado, detetar uma cavidade ou ausência de uma parte do dente, muito provavelmente terá uma lesão de cárie.

– Escove os dentes, durante dois minutos, pelo menos duas vezes por dia, sendo uma delas à noite antes de deitar;

– Use um dentífrico com flúor e uma escova manual ou elétrica;

– Não bocheche com água após a escovagem dos dentes. Pode cuspir apenas o excesso de dentífrico;

– Faça uma alimentação saudável, limitando o consumo de alimentos e bebidas ricas em açúcar;

– Passe o fio dentário entre os dentes, pelo menos uma vez por dia.

– Bocheche com um colutório com flúor ou mastigue uma pastilha elástica sem açúcar depois das refeições, quando não puder escovar os dentes;

– Visite-nos regularmente;

ODONTOPEDIATRIA

É a área da Medicina Dentária dedicada à saúde oral das crianças e dos adolescentes permitindo que estes se desenvolvam com uma dentição saudável. 

A primeira consulta de Medicina Dentária deve ser realizada quando os primeiros dentes temporários erupcionam ou durante o primeiro ano de vida, cujo objetivo será detectar e evitar possíveis hábitos prejudiciais para a criança.

Normalmente, a erupção dos primeiros dentes de leite ocorre entre os 6 e os 8 meses de idade enquanto que, a dentição definitiva inicia-se entre os 5 e os 7 anos. 

A erupção mais precoce ou tardia não está necessariamente relacionada com patologias. No entanto, se a criança com 1 ano ainda não apresentar nenhum dente em boca, deverá ser observada por um Médico Dentista. 

 

Existe também hábitos como a chupeta, biberão e sucção digital que devem ser controlados de forma a não provocarem desarmonias no desenvolvimento das arcadas dentárias. Idealmente, o uso de chupeta deve ser abandonado até cerca dos 3 anos de idade, enquanto que o biberão quando a criança completar 1 ano.

O tratamento das lesões de cárie consiste na sua remoção e de seguida, pelo preenchimento da cavidade com um material restaurador, as resinas compostas.

As resinas compostas são materiais estéticos e funcionais que devolvem a forma e a cor original da estrutura dentária. Desta forma, também podem ser usados em casos de fraturas dentárias ou de malformações dentárias congénitas.

Relativamente à escovagem dentária, a Direção Geral da Saúde recomenda:

– 0-3 anos: escovagem efetuada pelos pais a partir da erupção do primeiro dente, sendo que o ideal será duas vezes por dia (uma obrigatoriamente ao deitar), utilizando uma gaze, dedeira ou escova macia de tamanho adequando;

– 3-6 anos: escovagem realizada progressivamente pela criança, devidamente supervisionada e auxiliada pelos pais, duas vezes por dia através de uma escova macia de tamanho adequado. A quantidade de flúor no dentífrico deverá ser de 1000-1500ppm e deverá ser semelhante ao tamanho da unha do 5º dedo da criança.  

– >6 anos: escovagem realizada pela criança, devidamente supervisionada e auxiliada caso não possua destreza manual suficiente. A escovagem deverá ser realizada duas vezes por dia, obrigatoriamente ao deitar, através uma escova macia. A quantidade de pasta dentífrica deverá ser de 1000-1500ppm de flúor e do tamanho de uma ervilha ou até 1cm. 

Esta fase pode causar algum desconforto para o bebé e muita preocupação para os pais. Os sintomas mais comuns são:

– Gengivas avermelhadas;
– Perda de apetite;
– Alteração dos hábitos nutricionais;
– Ansiedade;
– Dificuldade em dormir;

Se a criança apresentar febre, vómitos ou diarreia consulte o Pediatra do seu bebé. Por outro lado, pode aliviar os sintomas limpando a boca 2-3 vezes por dia com uma gaze humedecida.

Sim, os dentes de leite podem ter lesões de cárie, tal como os dentes definitivos. Normalmente, as cáries em dentição temporária têm tendência a evoluir muito rapidamente e podem afetar o tecido nervoso do dente. 

Desta forma, o tratamento precoce evita possíveis dores de dentes e infeções na criança.

Pode prevenir através de várias medidas:

– Amamentação materna pelo menos até aos 6 meses de idade;
– Biberão só com água ou leite e apenas quando a criança está acordada;
– Não colocar no biberão ou na chupeta açucares;
– Após erupção do primeiro dente iniciar a sua correta higiene oral.

A sucção não nutritiva não costuma causar problemas dentários a não ser que persista para além dos 2-3 anos. Com o avançar da idade, sucção na chupeta ou no dedo interfere na erupção dentária, no formato da boca e no desenvolvimento dos maxilares.

Após um traumatismo que envolva os tecidos moles ou dentários deve-se recorrer ao Médico Dentista para despistar possíveis complicações. Os traumatismos em dentes temporários podem afetar diretamente os dentes definitivos, através de alterações de cor, direção da erupção, etc..

Segundo as normas da Direção Geral da Saúde, o flúor existente nas pastas dentífricas é suficiente para as crianças, sendo que se deve usar sempre um dentífrico apropriado às diferentes etapas de crescimento. 

Os comprimidos e gotas de flúor são desaconselhadas.

REABILITAÇÃO ORAL

A Reabilitação Oral é o ramo da Medicina Dentária que se dedica à restauração da função, estética e equilíbrio oral através de próteses fixas ou removíveis.

– Pode ser parcial, quando o paciente ainda tem dentes saudáveis e necessita apenas de reabilitar alguns dentes;

– Pode ser total, reabilitando assim todos os dentes da arcada.

Próteses Fixas 

Existem casos de dentes muito danificados em que a Dentísteria não é suficiente para restaurar e estabilizar os problemas, sendo necessário um tratamento mais duradouro e eficaz através de próteses fixas. 

Este é um processo de tratamento muito detalhado e requer um diagnóstico e planeamento rigoroso. As coroas cerâmicas podem ser suportadas pelas raízes dos dentes ou por implantes. Têm a capacidade de substituir a estrutura dentária perdida, de alterar a forma e a cor dos dentes.

Próteses Removíveis  

Uma das soluções para repor dentes perdidos são as próteses removíveis, sendo que o paciente pode remove-las sempre que entender, ao contrário das protéses fixas que funcionam como dentes naturais. 

Pacientes que tenham perdido todos os seus dentes naturais podem optar por uma prótese total removível que devolve o seu sorriso ou pacientes que tenham falha só de alguns dentes podem também optar pelas próteses parciais removíveis. 

Existem casos específicos em que a melhor forma de reabilitar o seu dente é através de coroas protéticas, tais como:

– Dente muito fraturado ou fragilizado;
– Ausência completa do dente, sendo que nestes casos a coroa será aplicada sobre um implante;
– Casos de Endodontia (desvitalização), em que haja uma grande perda de estrutura dentária.

As coroas são realizadas com materiais que conferem maior resistência e maior durabilidade. Atualmente as mais usadas são as coroas cerâmicas que também melhoram a estética do sorriso.

 

Existem as próteses acrílicas, esqueléticas e flexíveis.

Marque uma consulta de avaliação para o Médico Dentista identificar qual a melhor opção para si.

 

As próteses necessitam de cuidados diários para remover depósitos de alimentos e placa bacteriana. A escovagem também ajuda a prevenir o envelhecimento. É aconselhável que use escovas próprias para próteses. 

PERIODONTOLOGIA

Área que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças periodontais ou das gengivas. As doenças periodontais, como a gengivite e a periodontite são patologias que afetam os tecidos que envolvem e suportam os dentes.  

A gengivite é causada pela presença de bactérias no sulco gengival, que causam inflamação e sangramento. Se esta não for tratada, as bactérias proliferam até alcançarem o osso e acabam por destruí-lo, designando-se assim de periodontite. A doença periodontal é uma das principais causas de perda precoce de dentes em adultos.

O tratamento tem como objetivo a eliminação das bactérias e o controlo dos fatores que aumentam a susceptibilidade às doenças periodontais, como o tabaco e algumas doenças sistémicas.

Normalmente é raro as doenças periodontais afetarem as crianças, as formas mais frequentes aparecem nos adultos, a partir dos 30 anos.

O sinal mais precoce da existência de problemas na gengiva é a ocorrência de sangramento gengival espontâneo ou após a escovagem. O sangramento pode estar associado a uma gengivite ou periodontite. Por outro lado, existem patologias ou medicamentos que também podem causar sangramento das gengivas.

Nos casos em que a mobilidade não é muito acentuada, pode diminuir após o tratamento. Contudo, pode não desaparecer caso já exista uma grande perda óssea, uma vez que o osso não aumenta após o tratamento da periodontite.

As alterações fisiológicas e hormonais existentes numa gravidez podem manifestar-se na cavidade oral, nomeadamente desencadear uma gengivite. Esta tem uma prevalência de 60 a 75% numa mulher grávida e provoca aumento do volume gengival e hemorragia.

A periodontite é uma patologia sistémica que se manifesta na boca. Por isso, pode ter influência no estado de saúde geral, nomeadamente na evolução de doenças como diabetes, doenças pulmonares, doenças cardiovasculares e parto prematuro de bebés de baixo peso.

CIRURGIA ORAL

A Cirurgia Oral é a área da Medicina Dentária que se dedica ao diagnóstico e tratamento cirúrgico das doenças, lesões e anomalias nos dentes, boca, maxilares e estruturas anexas.

 

O tratamento mais frequente é a exodontia ou extração de dentes presentes na arcada dentária ou inclusos. No entanto, também se realizam cirurgias endodônticas (quando o tratamento endodôntico dos canais não é suficiente), cirurgias de patologia quística ou tumoral, cirurgia periodontal, cirurgia pré-protética (cirurgia para preparação da boca para que seja colocada uma prótese dentária), cirurgia de lesões infeciosas ou traumáticas.

O diagnóstico da inclusão dentária só pode ser efetuado através de exames imagiológicos, uma ortopantomografia ou radiografias periapicais.

A evolução da Medicina levou a que atualmente o desconforto associado a qualquer ato cirúrgico seja mínimo. A aplicação de uma técnica anestésica adequada, de uma técnica cirúrgica atraumática e a adopção de uma terapêutica pós-operatória eficaz vão permitir um elevado conforto durante e após o ato cirúrgico, sem qualquer dor.

Os cuidados no pós-operatório são fundamentais para uma boa cicatrização e uma recuperação plena. Normalmente deverá:

– Aplicar gelo no rosto durante as primeiras 24 horas, em períodos alternados de cinco a dez minutos;
– Evitar exposição solar e esforços físicos;
– A dieta deverá ser mole, líquida e fria nos primeiros dias;
– Descansar e dormir com a cabeça mais elevada;
– A escovagem deve ser normal nos dentes e língua. Na zona da ferida operatória deve ser feita com muito cuidado e idealmente com uma escova cirúrgica (muito macia);
– Bochechar com anti-séptico 2-3 vezes ao dia, só após as 24 horas da cirurgia;
– Evitar fumar;
– Cumprir rigorosamente a medicação prescrita.

É normal sentir um sangramento ligeiro nas primeiras 24 horas. Se esse sangramento for mais intenso deverá :

– Dobrar compressas de gaze esterilizadas, colocar na região sangrante e comprimir com os dentes oponentes até controlar a hemorragia;
– Aplicar gelo;
– Evitar deitar-se;
– Se a hemorragia persistir contacte a clínica.

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR E DOR OROFACIAL

A disfunção da articulação temporo-mandibular (DTM) são alterações patológicas que envolvem a articulação, músculos da mastigação e estruturas associadas. 

Pode ter como consequência dores de cabeça ou pescoço, dores na região do ouvido, ruídos articulares (estalos), zumbidos no ouvido, limitação de abertura bucal, desgaste nos dentes e dificuldades na mastigação. 

De etiologia ainda não definida é, no entanto, multifactorial, e acredita-se que o stress seja o principal fator que desencadeia uma DTM, para além de hábitos parafuncionais como o bruxismo, traumas na região da cabeça e pescoço, má postura e má oclusão.

 

As abordagens terapêuticas no tratamento da DTM são várias com resultados bastante satisfatórios, podendo assim realizar-se:

Tratamento de cefaleias/enxaquecas;
– Tratamento articular/muscular;
– Viscossuplementação;
– Higiene do sono;
– Controlo comportamental através da instrução de fisioterapia caseira para controlo biomecânico da ATM;
– Confeção de goteiras oclusais ou dispositivos de avanço mandibular.

As causas de uma DTM podem ser variáveis sendo que as mais comuns são:

– Traumatismo da mandíbula;
– Patologia articular;
– Apertar e ranger os dentes (bruxismo);
– Tensão muscular e tensão emocional.

Na consulta de avaliação é sempre feito um exame médico rigoroso composto por: 

– Palpação muscular na face e articular;
– Avaliação dos movimentos da mandíbula e da cavidade oral;
– Uso de meios auxiliares de diagnóstico (Ortopantomografia, TAC e Ressonância Magnética).

O bruxismo é um hábito oral involuntário, que consiste no rítmico ou espasmódico ranger, cerrar e apertar os dentes. Este comportamento pode ser diurno ou nocturno e pode causar:

– Desgaste dentário;
– Hipersensibilidade dentária;
– Fratura de dentes ou estruturas protéticas;
– Mobilidade dentária;
– Tensão ou dos nos músculos;
– Dor de cabeça;
– Dores na articulação temporomandibular;
– Perturbação do sono do parceiro.

O bruxismo está relacionado com o sistema nervoso central. O stress emocional e a ansiedade acumulados ao longo do dia são descarregados nos músculos do sistema mastigatório com aumento da contracção muscular e consequentemente o ranger dos dentes ou o apertamento dentário. Isto não acontece de forma contínua, mas por picos ou de forma ondulante, alternando com fases mais silenciosas.

É um tratamento multidisciplinar, onde é pedido ao paciente um estilo de vida mais saudável, evitar álcool e café, prática de desporto e de técnicas de relaxamento, já que o stress é um dos componentes principais do bruxismo.

Podem ser confeccionadas goteiras, para serem usadas à noite, uma vez que o bruxismo nocturno não é possível controlar, estas goteiras evitam o desgaste dentário e evita-se também a compressão das superfícies articulares da ATM. Em casos mais severo pode ser aconselhada medicação para promover o relaxamento muscular ou em caso de dor orofacial diminuir a inflamação dos tecidos.

HARMONIZAÇÃO FACIAL

 

A Harmonização Facial é um conjunto de procedimentos minimamente invasivos que têm como objetivo harmonizar esteticamente a face, lábios e pescoço.

Estes tratamentos estéticos melhoram os traços dos nossos pacientes e por isso é um tratamento totalmente individualizado. Para além de prevenir o envelhecimento, corrige assimetrias na face, nos lábios e o sorriso gengival. 

À medida que avança na idade, as rugas e os sulcos tendem a aumentar em número e profundidade, o que é particularmente evidente na testa, em torno dos olhos e dos lábios, no mento e no pescoço.

O aperfeiçoamento facial com recurso à microinfiltração de toxina botulínica e ácido hialurónico constitui atualmente o procedimento estético mais realizado no mundo.

Botox – Toxina Botuliníca

A aplicação de pequenas doses de Toxina Botulínica em pontos estratégicos reduz a hipertonicidade muscular e proporciona uma aparência mais jovem sem alteração da expressão do rosto. Bem aplicado, o Botox é um produto que fornece excelentes garantias de qualidade e segurança e com efeitos muito positivos na diminuição das rugas de expressão.

Para além da diminuição das rugas, o Botox pode ser usado para corrigir assimetrias e sorrisos com elevada exposição gengival. E em casos de disfunção temporomandibular, é frequentemente utilizado para reduzir a hiperativiade dos músculos mastigatórios, o que contribui para a aliviar a dor orofacial e prevenir fraturas dentárias.

Ácido Hialurónico

Aplicado através de injeção, é um método extremamente eficaz de aumento do volume em zonas mais envelhecidas, nomeadamente utilizado para preenchimento de sulcos profundos e rugas de expressão acentuadas pela idade, bem como para redefinição da forma e contorno de rosto e lábios.

Adicionalmente, o tratamento tem também um efeito preventivo porque estimula a produção de colagénio e a retenção de água pelos tecidos.

 

Depende da atividade do músculo, mas em média a toxina botulínica é metabolizada num período de 4 a 6 meses e o ácido hialurónico entre 12 a 18 meses.

A aplicação destes produtos não implica qualquer dor. Na aplicação do ácido hialurónico damos anestesia local para garantir um máximo de conforto. 

Terminada esta aplicação o paciente está imediatamente capaz e apto para prosseguir com o seu dia-a-dia normal.

As rugas começam a atenuar já no 3-4º dia, mas é no 10 º dia que o tratamento atinge o seu potencial máximo, sendo avaliada a necessidade ou não de nova aplicação.

Após a aplicação de botox ou de ácido hialurónico não deve massajar, deve evitar esforços físicos, evitar exposição solar e a colocação de cosméticos e maquilhagem.

Não, a expressão no rosto deve-se aos movimentos dos músculos faciais. O ácido hialurónico infiltra-se para substituir os volumes perdidos e hidratar a pele. A  capacidade de expressão do rosto não é afetada.

BRANQUEAMENTO DENTÁRIO

Nem todos os tipos de manchas ou descolorações são reversíveis, por exemplo, optando-se, nesses casos, por outras soluções estéticas.

Existem duas técnicas distintas de branqueamento dentário, sendo que a seleção da técnica a ser usada depende essencialmente das condições clínicas de cada paciente, das suas expectativas e da rapidez de resultados de tratamento pretendidas.

– Branqueamento ambulatório

É realizado em casa pelo próprio paciente através do uso de moldeiras individualizadas com o produto no seu interior;

O resultado é gradual e homogéneo com duração de 3 a 4 semanas, dependendo sempre do tipo de dente, da cor inicial e da expetativa do paciente. 

– Branqueamento consultório

Este é realizado em consultório e consiste na aplicação, pelo Médico Dentista, de um gel que é ativado por uma luz específica, permitindo que tenha resultados imediatos.

Se for necessário e dependendo dos casos, pode ser aconselhável fazer um reforço em casa com gel e moldeiras durante cerca de 15 dias, para melhorar os resultados obtidos.

A duração varia e é influenciada pelos cuidados de higiene oral diária, hábitos alimentares, consumo de tabaco, etc.

Em alguns casos a cor mantém-se durante alguns anos, noutros é necessário um reforço anual.

A Ordem dos Médicos Dentistas destaca que a segurança na utilização profissional de produtos branqueadores dentários está salvaguardada com a supervisão do médico dentista.

Existe também uma variedade de produtos de venda livre que apresentam diferenças substanciais entre si, pelo que não permitem com segurança afirmar da sua eficácia.

Em princípio, qualquer pessoa com um bom estado de saúde oral pode efetuar um branqueamento dentário. Pacientes com problemas dentários, lesões de cárie, desgastes, sensibilidade dentária e outros podem necessitar de tratamentos prévios, daí a importância do branqueamento dentário ser realizado pelo seu médico dentista. 

Relativamente à idade, os jovens com menos de 18 anos não podem efetuar branqueamentos.

Antes de fazer um branqueamento dentário é necessária uma consulta de avaliação com um médico dentista que avaliará a existência de patologias ou lesões dentárias.

O branqueamento dentário está também desaconselhado em mulheres grávidas, crianças ou pessoas em tratamento de doenças graves ou imunidade reduzida.

Pacientes com facetas, coroas ou restaurações de dentes anteriores devem advertidos para a necessidade de substituição das mesmas após o branqueamento, uma vez que só os dentes naturais são susceptíveis ao branqueamento.

Durante o tratamento deve evitar tudo o que possa manchar os dentes, como é o caso de alimentos e bebidas que contenham uma elevada concentração de pigmentos ( chá, café, vinho tinto, condimentos como caril, etc) e tabaco.  

No caso de branqueamento em casa, com moldeiras e gel fornecidos pelo dentista, deve evitar colocar produto em excesso para não agredir as gengivas.

Em caso de hipersensibilidade dentária deve interromper o tratamento por um ou dois dias e contactar a clínica.

FACETAS

As facetas são uma forma de restauração dentária pouco invasiva. São constituídas por uma fina lâmina de cerâmica ou compósito que, colada ao dente, permite melhorar a sua aparência. A sua principal vantagem é permitir a obtenção de uma estética excelente de forma conservadora, já que a preparação dentária para a colocação de uma faceta é reduzida.

As facetas estão indicadas nas seguinte situações:
– Fechar os espaços que existem entre os dentes, diastemas;
– Quando os dentes são muito pequenos e só em adultos;
– Melhorar a aparência dos dentes fraturados ou danificados por cáries;
– Harmonizar o tamanho dos dentes, corrigindo assimetrias dentárias;
– Alterar a cor dos dentes que podem estar manchados ou escurecidos por diversos fatores;
– Descoloração significativa por restaurações prévias.

Este procedimento é contra-indicado em certos casos:
– Pacientes que não têm uma boa higiene oral e, por isso, alto risco cariogénico;
– Casos de má oclusão (contato incorreto entre os dentes superiores e inferiores);
– Apinhamentos dentários;
– Hábitos parafuncionais.

As facetas em cerâmica têm uma durabilidade superior às facetas em compósito, por serem um material mais resistente e devido a um tipo de cimentação mais duradouro. 

As facetas dentárias são tratamentos com grande durabilidade, no entanto, estão expostas a pigmentação e cárie na região da união com o dente com o passar do tempo. Como tal, necessitam de uma higiene cuidada com escovagem e uso de fio dentário, bem como de consultas de limpeza semestrais. 

Sim. Aconselham-se neste caso as facetas cerâmicas, pelo fato de não existir alteração de cor por pigmentação com o passar do tempo. 

As principais causas são fratura por acidente, hábitos indevidos (roer as unhas, canetas, entre outras) e cárie na zona de união com o dente, devido a má higiene oral.

CONTACTE-NOS.

O nosso principal objetivo é proporcionar a melhor experiência conciliada com rigor, detalhe e profissionalismo num ambiente familiar e tranquilo.

× Como podemos ajudar?